MP apura uso de exemplo sobre cocaína em lição de matemática em escola de Itaberaí

Capa » NOTÍCIAS » MP apura uso de exemplo sobre cocaína em lição de matemática em escola de Itaberaí
MP apura uso de exemplo sobre cocaína em lição de matemática em escola de Itaberaí
Compartilhe agora:

De acordo com a titular da Secretaria Municipal de Educação (SME), Carla de Deus, a professora pediu exoneração do cargo e foi instaurado um Processo Administrativo Disciplinar

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) apura a conduta profissional de duas servidoras municipais que usaram como exemplo em uma tarefa o cálculo para colocar cocaína em pino de plástico, em Itaberaí.

De acordo com a titular da Secretaria Municipal de Educação (SME), Carla de Deus, a professora pediu exoneração do cargo e foi instaurado um Processo Administrativo Disciplinar.

Em nota, a gestora da escola completa que o afastamento da servidora foi solicitado, pois a atividade estava totalmente fora do alinhamento de trabalho da equipe escolar. O documento reforça que a profissional passa por um Processo Administrativo Disciplinar e que a escola desaprova qualquer tipo de atividade que foge do trabalho pedagógico desenvolvido em planejamento

O caso aconteceu na Escola Municipal Padre Elígio Silvestri no dia 7 de outubro deste ano e divulgado no dia 8. Em nota, o MP-GO informou que o promotor de Justiça Marcelo Faria da Costa Lima se reuniu com a Secretária de Educação para verificar as medidas que foram tomadas sobre o caso.

Carla de Deus explica que foi instaurado um PAD e, ao MP, informou que além da exoneração foi instaurado procedimento para apurar a conduta administrativa tanto da supervisora quanto da coordenadora pedagógica da unidade.

O informe do MP pondera que o procurador-geral do município, Daniel Fernandes Leite, completou que a Câmara Municipal de Itaberaí constituiu Comissão Especial para acompanhar do processo administrativo aberto que vai analisar a conduta das duas servidoras municipais.

Em entrevista na época do fato, um dos pais, que preferiu não ter a identidade divulgada, queria que o filho passe a estudar em outra unidade de ensino.

“Olha se tem como uma escola mandar para um menino de 14 anos resolver um problema baseado em pino de cocaína. […] Porque não baseou em outra coisa? Tinha que ser logo cocaína? Não pus meu filho lá para estudar sobre cocaína”, disse indignado.

Esse pai contou que alertou o Conselho Tutelar sobre a situação. O órgão disse  que está ajudando a família na possibilidade de transferência do adolescente de escola.

Também segundo o Conselho, a escola recebeu uma visita de agentes do órgão assim que soube do que aconteceu. Eles informaram que a diretora reconheceu que houve erro e que o objetivo de propor um problema na questão poderia ser alcançado usando outras substâncias como exemplo.

Mãe de outro estudante que recebeu a lição também achou um absurdo ver a droga ser usada em uma questão.

“A coordenadora disse que isso era um cálculo comum, como se fosse com arroz, feijão. Que não estão influenciando os alunos a vender ou a usar”, reclamou.

Nota da escola

Todas as providências cabíveis foram imediatamente tomadas pela unidade escolar assim que chegou até o conhecimento.

 

Enquanto gestora o que me compete de acordo com as diretrizes educacionais foi me colocar à disposição imediatamente da família, acionei a SME – Secretaria Municipal de Educação , realizamos uma reunião extraordinária com o Conselho Escolar e lavramos em ata o acontecido, aplicamos um memorando para que a professora pudesse se retratar perante a escola pela postagem de uma atividade imprópria e que não constava no planejamento recebido, após a justificativa apresentada reunimos novamente o Conselho Escolar e solicitamos o afastamento da mesma visto que a atividade estava totalmente fora do alinhamento de trabalho da nossa equipe.

 

A professora estará passando pelo Processo Administrativo. Prestamos uma nota de esclarecimento à comunidade e respondemos a todos os ofícios deixando claro que a Escola Padre Eligio Silvestri desaprova totalmente qualquer tipo de atividade que foge do trabalho pedagógico que desenvolvemos.

 

Contato: (62) 992719764
(clique para ligar agora)

informativocidades@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos requeridos estão marcados *

*