Ministério Público investiga pagamento pelo município de Santa Rita do Novo Destino de gratificações já suspensas pela Justiça

Capa » NOTÍCIAS » Ministério Público investiga pagamento pelo município de Santa Rita do Novo Destino de gratificações já suspensas pela Justiça
Ministério Público investiga pagamento pelo município de Santa Rita do Novo Destino de gratificações já suspensas pela Justiça
Compartilhe agora:

Na portaria de instauração do inquérito civil, o promotor de Justiça Tommaso Leonardi cita que, em reunião realizada

– O Ministério Público de Goiás – MPGO – está apurando possível descumprimento, pelo município de Santa Rita do Novo Destino, de decisão judicial que suspendeu o pagamento de gratificações a servidores públicos.

Na portaria de instauração do inquérito civil, o promotor de Justiça Tommaso Leonardi cita que, em reunião realizada no último dia 24, advogado contratado pelo Poder Executivo informou que estão sendo pagas gratificações a servidores públicos e que o município tinha ciência inequívoca da decisão judicial.

A decisão citada é uma liminar concedida pela Justiça, que determinou a suspensão do pagamento de gratificações pautadas nas Leis Municipais nº 66/1998, 279/2010, 381/2017, 413/2018 e 431/2019. Conforme sustentado pelo promotor de Justiça na ação, o município, desde 1998, tem concedido indiscriminadamente gratificações a servidores do Executivo. Para ele, essas gratificações, além de representarem um benefício em favor de companheiros políticos, são inconstitucionais e imorais.

De acordo com Tommaso Leonardi, os fatos apontados pelo advogado, em tese, podem gerar responsabilização do gestor público pela prática de improbidade administrativa e do crime de desobediência à decisão judicial.

Recomendação alerta para responsabilização em caso de novo descumprimento
Diante disso, o promotor encaminhou ainda recomendação ao prefeito Roberto João de Oliveira, para que se abstenha de pagar quaisquer gratificações a servidores públicos municipais pautadas nas Leis Municipais nº 66/1998, 279/2010, 381/2017, 413/2018 e 431/2019.

Também foi esclarecido que o descumprimento da recomendação ocasionará a responsabilização do gestor, não podendo, após ciência desta, alegar ausência de dolo em sua atuação.

Por Cristina Rosa
Assessoria de Comunicação Social do MPGO

Contato: (62) 992719764
(clique para ligar agora)

informativocidades@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos requeridos estão marcados *

*